7 de maio de 2021

Força de mãe


 

A minha mãe é a pessoa mais forte que conheço. Ela mede mais ou menos um metro e meio, tem mais de meio século de vida, não faz musculação, tem dores nos pés, mas, ainda assim, é muito forte. É que força, para mim, não tem a ver com capacidade de agir sobre alguma coisa; de forçar algo a ser o que ele não é ou permanecer onde está. Forte é aquele que suporta o que é e o que está.  

Refletindo melhor, posso dizer que minha esposa também tem esta força. É dela a capacidade de se adaptar, de se doar, de ser gentil; de ensinar com exemplos; de dizer muito com poucas palavras. 

São presenças sutis que confortam.    

Observando estas duas pessoas no dia a dia, estas habilidades, posso imaginar que isto seja amor, qualidade de mãe.

5 de maio de 2021

ENE orelhudo chegou

 O exemplar do meu livro "Extraordinário Novo Eu" acabou de chegar. A novidade é que ele agora tem orelhas, vejam só:







Não é o máximo? 

Você pode ter um desse comprando aqui.

Tem a versão e-book aqui.

Um abraço! 


15 de abril de 2021

O Homem Cansado


Baltazar Salazar sempre estava cansado. Andar cansava; comer também. Respirar? Bem, sabia que não podia ficar sem, mas jurava que era cansativo fazer o ar entrar e sair do seu corpo. Não podia ficar dentro de uma vez? Qual seria a razão de entrar e sair sem permanecer? Só que pensar também era cansativo. Assim vivia ou melhor dizendo: se arrastava pela vida.

Certo dia, cambaleando por uma estrada conhecida por ele, caiu. Caiu e deixou-se ficar, pois dava trabalho se levantar. A noite veio, não estava muito frio, ele se ajeitou do melhor jeito e dormiu, mas não teve sonhos. Pela manhã, sentiu um dedo frio cutucar o seu ombro. 

— Ei, moço, tudo bem?

— Bem, bem não estou, só que estava melhor antes de acordar. 

— Desculpe-me. Observava o amanhecer, sentindo o orvalho das plantas com os pés, vendo a cor chegar lentamente às folhas. Ouvia a voz dos passarinhos quando te vi caído.

Baltazar se sentou. Coçou a cabeça cabeluda e se espreguiçou. Falou:

— Acordado, fico desanimado. Tudo é tão igual, não acha? O sol nasce na mesma posição e deita-se no mesmo lugar. Eu acho que nasci com algo a menos; como se um osso me estivesse faltando. Não sente o mesmo?

— Não acho que me falte alguma osso — a garotinha ajeitou os óculos escuros nos olhos e apalpou o corpinho — Não vejo problema no sol ter seu lugar de aparecer e desaparecer. As coisas estão onde deveriam estar, mas eu também sinto algo errado.

— Vou vivendo e cansando. Durmo, mas descanso pouco. O que tenho eu, ou melhor dizendo: que não tenho? Que vida é essa que não me empolga?

— Conheço um lugar…

— É longe? Eu fico cansado só de me imaginar caminhando…

— Não é longe para as pernas e eu posso te levar. Garanto que não se cansará para chegar até lá.

6 de abril de 2021

Retalho de gente



Suzi Nogueira adorava aquilo. Mexer com visual das pessoas, cuidar da aparência, mudar de qualquer forma. O seu salão de beleza no Centro da cidade era bem requisitado e rendia-lhe um bom sustento. Era uma mulher alta, ruiva de cabelos curtos e olhos verdes. Aparentava ter uns quarenta anos, usava uma echarpe verde em volta do pescoço e um vestido de verão, branco. Brincos extravagantes enfeitavam suas orelhas e botas negras cobriam os seus pés.

— O que vai querer dessa vez? — ela perguntou a Treze, enquanto abria sua maleta.

— O de sempre. Quero parecer normal.

Suzi sorriu. Conhecia Treze desde o começo. Tiveram um romance há quanto tempo? Seguiram caminhos diferentes. A cabeleireira havia superado tudo aquilo. Tinha criado uma vida para si; um nome, não mais um número. Suas habilidades que antes eram usadas para suavizar o processo de adaptação dos transplantados, agora serviam a todos os clientes.

As mãos ágeis da cabeleireira agarraram os longos cabelos dourados de Treze e começaram a cortar. Em seguida, deu volume e cachos. Por último pintou tudo de preto, num penteado moderno. De uma pequena caixa de plástico, tirou lentes de contato.

— Adeus olhos azuis.

Treze não gostava de se ver, embora tivesse que encarar o seu reflexo para conferir o trabalho de Suzi. Mudara tanto ao longo dos anos que não conseguia imaginar sua própria aparência. Não se importava com isso, aliás, mas a experiência tinha lhe ensinado que os outros se importavam. Não havia negros de olhos azuis, cabelos lisos e loiros e encontrar com Alanna Soares assim causaria resistência. Treze precisava de tudo para convencer a atriz do que estava acontecendo. Até mesmo, fingir ser o que não era.

— Ótimo — falou Suzi. — Ninguém vai perceber que você é um retalho de gente. 

17 de março de 2021

Fala que eu te escuto! ENE terá orelhas

 É isso aí. O meu mais recente livro "Extraordinário Novo Eu" terá orelhas! Olha só: 


clique na imagem para ampliá-la

Tem até um trechinho da resenha que o escritor Paulo Uzai Jr. fez do livro, não é o máximo?

Abraços!

Paul Law