5 de julho de 2012

Transmigrando para o Nada


Paulo Uzai Junior, amigo de longa data, publicou recentemente pelo domínio do Bookess seu mais novo trabalho “Transmigrando para o Nada”. Maduro e consciente do tempo em que vive, o autor nos apresenta um ponto de vista crítico sobre a atual sociedade brasileira. 

Baseado no Niilismo (para saber o que é Niilismo clique aqui), como o título sugere, o personagem central da trama não consegue traçar uma finalidade para o que faz e vivencia. Analisando seus próprios atos, sua vida e as pessoas, ele é levado a crer que tudo não passa do que realmente é. Explicando, pelo que pude entender, não há nada de especial no que fazemos; são coisas naturais que se exaurem no momento em que são realizadas. O autor faz essa reflexão de uma perspectiva real, do ponto de vista do personagem Alfredo, tão comum, tão normal quanto eu ou você. 

Críticas e opiniões são constantes em “Transmigrando para o Nada”. É uma obra de cunho filosófico e reflexivo que muito me lembrou minha leitura recente “O Lobo da Estepe” (postagem aqui). Essa associação se deu pelo fato de em ambos os casos, a análise da importância das coisas ser realizada de uma perspectiva nova. A discussão sobre o ego das pessoas e a influência que isso tem nos acontecimentos e na quantificação. Não são assuntos de fácil intepretação, mas viso pela ótica que Uzai nos apresenta pode ser compreendido em boa parte. 

É fato que todo o estudo do autor o ajudou a conceber e a desenvolver ideia tão complexa. Estou muito satisfeito e feliz com a maturidade do autor, tão amigo e de “mesma origem literária” do que este que vos escreve.

Nesta postagem apresento a obra completa:


O livro também pode ser lido no sinte do Bookess pelo link:

Eis o perfil do autor no Bookess:

Éramos apenas meninos…
Abraço.

6 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Paulo Uzai Junior6 de jul de 2012 12:37:00

    Olá Paulo, meu xará.
    Depois de ler o que você escreveu sobre "Transmigrando para o Nada" fiquei a pensar em toda a minha vida, quando lhe conheci, quando comecei a escrever e quando realmente percebi a necessidade de escrever algo como esse conto. Não sei se realmente consegui transmitir aquilo que deveria ser transmitido nessa história, mas acredito que todos os que se aventuraram em tal leitura certamente extraíram o essencial e, mesmo implicitamente, conseguiram captar aquilo que eu tão desesperadamente queria transmitir.
    Paulo, eu sinceramente não sei se deveria ter escrito algo sendo tão jovem. Minha intenção era esperar mais para escrever qualquer coisa. Mas, você sabe, não consigo me segurar! De qualquer forma acho que esse escrito veio na hora que deveria ter vindo. E fico realmente feliz por você tê-la lido.

    Éramos apenas meninos; sim! Crescemos, mas continuamos sonhando!

    Forte abraço, bom e velho amigo.

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pelo comentário, velho amigo. Sucesso com sua mensagem e saiba que estarei lá para presenciar suas realizações.

    Um abraço e viva nossa capacidade de sonhar.

    ResponderExcluir
  4. Adorei a proposta! Não é muito meu estilo literário preferido, mas certamente é um ótimo livro para indicação! Conheço muita gente que vai adorar!
    Parabéns ao Paulo Uzai pelo lançamento!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Babi.
      E caso conheça alguém que se interessará pelo livro, indique-o. Ficaria muito grato com isso (de forma que, não tenho muitos contatos e dependo muito da ajuda de bons amigos, como é o caso do Paulo, para a divulgação do trabalho).

      Abraço.

      Excluir
  5. Oi Babi! Fiquei muito contente com a sua visita. Um abraço, minha amiga.
    Sucesso por aí!

    ResponderExcluir

Bem-vindo. Seu comentário é muito importante!